• ARTIGOS INÉDITOS: Abordagem Policial e Accountability : uma aproximação do Interacionismo Simbólico de G.H. Mead ao controle externo da atividade policial
  • Tatiana Almeida de Andrade Dornelles
    • Resumo
    • O presente estudo busca contribuir para a compreensão dos processos psicossociais existentes entre polícia e cidadão nas abordagens policiais de rotina. Para isto, introduz a teoria do interacionismo simbólico de G. H. Mead e apresenta experimentos psicológicos, os quais demonstram que a identidade de grupo gera sentimentos e reações nos indivíduos potencializadores da rivalidade grupal e da atuação no sentido “nós” versus “eles”. Este sentimento de antagonismo, por sua vez, produz falhas na interpretação do comportamento e na comunicação entre as partes, causando mais desentendimentos e insatisfações, numa profecia de autocumprimento. Para superar este antagonismo, é necessário eliminar ou ao menos amenizar o sentido de identidade grupal, aproximando-se as partes envolvidas. Do lado da polícia, adotar efetiva accountability, com regras de comportamento policial claras e informação aos cidadãos do que esperar em abordagens policiais. Da parte do cidadão, conhecer os procedimentos policiais e adotar atitudes colaborativas. Da parte do controle externo, atuar para garantir segurança jurídica na atividade policial e exercer o papel de mediador neste processo de aproximação.
    • Palavras-chave
    • Abordagem Policial. Accountability. Interacionismo simbólico. Identidade de Grupo. Controle Externo.
    • Referências
    • ARAUJO, J. P. Controle externo, participação e accountability: dilemas e desafios da “Ouvidoria das UPPs”. [s.l.] Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, 2018.
      AZEVEDO, M. A. Concepções sobre Criminalidade e Modelos de Policiamento. Psicologia Ciência e Profissão, v. 23, n. 3, p. 18–25, 2003.
      BROWN, J. C. An Experiment in Role-Taking. American Sociological Review, v. 17, n. 5, p. 587–597, 1952.
      BUENO, S.; LIMA, R. S. DE; TEIXEIRA, M. A. C. Limites do uso da força policial no Estado de São Paulo. Cadernos EBAPE.BR, v. 17, n. spe, p. 783–799, nov. 2019.
      BYRNES, D. A.; KIGER, G. Prejudice-Reduction Simulations: Ethics, Evaluations, and Theory into Practice. Simulation & Gaming, v. 23, n. 4, p. 457–471, 1992.
      CASAGRANDE, C. A. Interacionismo Simbólico, Formação do Self e Educação: Uma Aproximação ao Pensamento de G. H. Mead. Educação e Filosofia, v. 30, n. 59, p. 375–403, 2016.
      DE ARAÚJO, J. C. R. Abordagem Policial: conduta ética e legal. [s.l.] Universidade Federal de Minas Gerais. Curso de Especialização em Estudos de Criminalidade e Segurança Pública, 2008. DE OLIVEIRA, M. D. C. L.; RON-RÉN JUNIOR, R. C. Agência e discricionariedade na prática policial. Revista Brasileira de Linguistica Aplicada, v. 17, n. 4, p. 759–775, 1 out. 2017.
      GOFFMAN, E. Manicômios, Prisões e Conventos (Asylums). Coleção De ed. São Paulo. Brasil: Editora Perspectiva, 1974.
      HOMERIN, J. C. Impossivel tradução termo accoutability para o português. São Paulo: Fundação Getúlio Vargas. Escola de Administração., 2016.
      HUND, A.; KNAUS, K. (Re)Imagining Teacher Preparation Through Symmolic Interactionism. Complicity: An International Journal of Complexity and Education., v. 8, n. 1, p. 51–57, 2011.
      LE TEXIER, T. Debunking the Stanford Prison Experiment. [s.l.] American Psychological Association (APA), 2019. Disponível em: .
      LOUVEIRA, R.; MARTINS DOS SANTOS, E.; FURTADO DE OLIVEIRA, E. Manual De Procedimentos Operacionais Padrão – POP. PM/MS. Estado do Mato Grosso do Sul. Comando Geral da Polícia Militar., , 2013.
      MEAD, G. H. Mind, Self, and Society: From the Standpoint of a Social Behaviorist. Chicago: The University of Chicago Press, 1934.
      MLODINOW, L. Subliminar: Como o inconsciente influencia nossas vidas. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.
      PETERSON, J. B. Maps Of Meaning. The Architecture Of Belief. New York: Routledge, 1999a.
      PETERSON, J. B. Neuropsychology and Mythology of Motivation for Group Aggression. In: Encyclopedia of Violence, Peace, and Conflict. [s.l.] Academic Press, 1999b. v. 2p. 529–545.
      PINC, T. Abordagem Policial: avaliação do desempenho operacional frente à nova dinâmica dos padrões procedimentais. [s.l: s.n.].
      PINC, T. Abordagem policial: um encontro (des)concertante entre a polícia e o público. Revista Brasileira de Segurança Pública , v. 1, n. 2, p. 6–23, 2007b.
      PINC, T. Por que o Policial Aborda? Um estudo empírico sobre a fundada suspeita. Confluências | Revista Interdisciplinar de Sociologia e Direito, v. 16, n. 3, p. 34, 20 nov. 2014.
      PM-MG. Manual-de-prática-policial-Resolucao_3664/2002. . 2002.
      SILVA, F. C. DA. G. H. Mead. Ciência Experimental, Consciência Social e Democracia Participativa. In: Lições de Sociologia Clássica. [s.l.] Edições 70, 2019. p. 423–454.
      TEIXEIRA, R. DE A.; CAMPOS, D. S. A visão do cidadão sobre a abordagem policial militar. Goiania: [s.n.]. Disponível em: .
      TUDELA, P. Policía, accountability y control interno: líenas de acción para un mejor desempeño policial. [s.l.] Fundación Paz Ciudadana, 2011.
      TURNER, J. P. Police Accountability in The Federal System. McGeorge Law Review, v. 30, n. 3, p. 999–1017, 1999.
      WALKER, S. Police Accountability: Current Issues and Research Needs. [s.l: s.n.].
      WALKER, S. E.; ARCHBOLD, C. A. The New World of Police Accountability. 3. ed. [s.l.] SAGE Publications, 2018.
      WALSH, A. Biology and Criminology. The Biosocial Synthesis. 1st. ed. New York: Routledge, 2009.
      WALSH, A.; BEAVER, K. M. Introduction to Biosocial Approach. In: WALSH, A.; BEAVER, K. M. (Eds.).. Biosocial Criminology. New Directions in Theory and Research. London and New York: Routledge, 2009. p. 7–28.
      XAVIER PEREIRA, F. Do controle social ao desvio de conduta: Uma Análise do Comportamento Policial Militar em Belo Horizonte. [s.l.] Universidade Federal de Minas Gerais, 2016.
    • Abstract
    • The present study seeks to contribute to the understanding of the psychosocial processes existing between police and citizens in routine police approaches. To this end, it introduces G. H. Mead's theory of symbolic interactionism and presents psychological experiments, which demonstrate that group identity generates feelings and reactions in individuals that enhance group rivalry and emphasizes the sense "we" versus "them". This feeling of antagonism, in turn, produces failures in the interpretation of behavior and communication between the parties, causing more disagreements and dissatisfactions, in a self- fulfilling prophecy. To overcome this antagonism, it is necessary to eliminate or at least soften the sense of group identity, bringing the parties involved closer together. On the police side, adopt effective accountability, with clear rules of police behavior and information to citizens of what to expect in police approaches. On the part of the citizen, know the police procedures and adopt collaborative attitudes. On the part of external control, act to ensure legal certainty in the police activity and exercise the role of mediator in this process of approximation.
    • Keywords
    • Police approach. Accountability. Symbolic interactionism. Group Identity. External Control.
    • pt_BR