• Treinamento militar e vitimodogmática
  • Antonio Carlos Gomes Facuri
    • Resumo
    • Ultimamente tem sido recorrente na Justiça Militar da União casos de lesões graves e até mortes, tendo como vítimas de supostos maus-tratos alunos de treinamentos militares rigorosos, necessários para a formação das chamadas “tropas de elite”. Como as vítimas são voluntárias nos cursos e, muitas delas, inclusive, entendem como sendo normais eventuais lesões, exsurge o fenômeno identificado como movimento vitimológico, dele fazendo parte a vitimodogmática, traduzida no comportamento da vítima no âmbito do crime.
    • Palavras-chave
    • Treinamento militar. Voluntários. Tropas de Elite. Maus-Tratos. Vítima. Consentimento.
    • Referências
    • FULLER, L. L. O caso dos exploradores de cavernas. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor, 1999.
      LYRA, R. et al. Criminologia. Rio de Janeiro: Ed. Forense, 1995.
      OLIVEIRA, A. S. S. A vítima e o Direito Penal. Ed. Revista dos Tribunais, 1999.
      OLIVEIRA, E. Vitimologia e Direito Penal. Rio de Janeiro: Ed. Forense, 1999.
      REALE JUNIOR, M. Novos rumos do sistema criminal. Rio de Janeiro: Ed. Forense, 1983.
      ROMEIRO, J. A. Curso de Direito Penal Militar (Parte Geral). São Paulo: Ed. Saraiva, 1994.
    • Abstract
    • Lately it’s been recurring in the Military Justice cases of aggraveted battery and even death involving students, victims of alleged mistreatment in consequence of rigorous military training required for the formation of the so-called “elite troops”. As victims are usually voluntary for those courses, and many of them actually acknowledge as normal the outcome of potential injuries, the phenomenon identified as vitimológico movement shows up, where the vitimodogmática takes part reflecting the behavior of the victim in the crime circumstances.
    • Keywords
    • Military Training. Voluntary. Elite Troops. Mistreatment. Victim.Consentment.
    • pt_BR